sexta-feira, 22 de abril de 2016

Primavera no Japão




A Primavera é uma estação do ano magnífica em qualquer parte do Mundo. Hoje decidi colocar fotos da Primavera no Japão, acompanhadas por um texto de Cecilia Meireles.

" A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la.


A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.


Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores. Há bosques de rododentros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur.


Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.


Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.


Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.


Mas é certo que a primavera chega.

É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.


Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim.

Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu.
E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvi¬los que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.


Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul.


Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra.


Os casulos brancos das gardénias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.


Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade.

Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.

Texto: extraído do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1"
Fotos: Net



"Quando o dia começar sem o canto dos pássaros, as flores não brotarem mais na primavera e os rios morrerem em seus leitos, a natureza certamente dará uma resposta ao seu algoz." (Paulo Roberto Avelino de Oliveira)

terça-feira, 12 de abril de 2016

Welwitschia mirabilis

Welwitschia mirabilis - Uma Planta que é Um fóssil vivo


A Welwitschia mirabilis é uma espécie que só existe no deserto do Namibe, na Namíbia e em Angola. O seu nome foi dado em homenagem ao Dr. Friedrich Welwitsch, que muito contribuiu para o seu conhecimento.


Foto: wikipedia_Hans_Hillewaert


É uma planta rasteira, formada por um caule lenhoso que não cresce, uma enorme raiz aprumada e duas folhas apenas, provenientes dos cotilédones da semente; as folhas, em forma de fita larga, continuam a crescer durante toda a vida da planta, uma vez que possuem meristemas basais. A Welwitschia mirabilis é uma planta dióica, ou seja, os cones masculinos e femininos nascem em plantas diferentes.


Foto: wikipedia_Michael_O'Brien_cones femininos

Foto: wikipedia_Michael_O'Brien cones masculinos


Com o tempo, as folhas podem atingir mais de dois metros de comprimento e tornam-se esfarrapadas nas extremidades.


Foto: wikipedia_Hans+Hillewaer


Apesar do clima em que vive, a Welwitschia consegue absorver a água do orvalho através das folhas. Esta espécie tem ainda uma característica fisiológica em comum com as crassuláceas (as plantas com folhas carnudas ou suculentas, como os cactos): o metabolismo ácido – assim, durante o dia, as folhas mantêm os estomas fechados, para impedir a transpiração, mas à noite elas abrem-se, deixando entrar o dióxido de carbono necessário à fotossíntese.


Foto: wikipedia_Amada44

Foto: wikipedia_Guido+Gerding_XN


É difícil avaliar a idade que estas plantas atingem, mas pensa-se que possam viver mais de 1000 anos. Devido às suas características únicas, incluindo o seu lento crescimento, a Welwitschia é considerada uma espécie ameaçada.

Fontes e Fotos: Wikipedia; photo.net; outros net


Foto: photo.net_By+Dionys+Moser

A natureza é simplesmente surpreendente.



Miosótis


Os Miosótis significam fidelidade ou lembrança fiel.



Esta planta originária da Rússia, possui pequenas flores azuis, flores brancas e flores rosadas presentes durante as primaveras dos mais belos jardins do planeta. De porte pequeno a rastejante, com cerca de 20-30 cm de altura, com caules muito ramificados de cor verde claro a azulado. Apresenta folhas basais, pequenas, delicadas, lanceoladas a ovaladas, pubescentes de cor verde a verde azulado.



Aquilo que pensamos ser as flores do Miosótis, na verdade são inflorescências terminais que se assemelham a espigas, com formações de flores muito curtas, pequenas, brilhantes, com 5 pétalas e com o centro branco.
Pode ser utilizada em conjuntos, floreiras, vasos grandes, bordaduras. As pequenas flores duram de Maio a Agosto e existem mais de 50 variedades.



Condições de cultivo

Solo: : Ordinários, frescos, ricos em matéria orgânica, ligeiramente húmidos.



Regas: : Regular. Evitar excesso de água.



Luz: Sol, meia-sombra.

Sementeira: No local definitivo na Primavera ou em estufa entre Março-Abril.



Transplantação: Maio-Julho.

Floração: Verão



Podas: Devido ao grande número de flores, devem-se cortar as flores velhas de Miosótis para facilitar o desenvolvimento das novas flores. Deve-se cortar acima da quarta folha.



Curiosidades
As flores Miosótis também são conhecidas como “não se esqueça de mim” ou ”não me esqueças” em várias línguas — non-ti-scordar-di-me, na Itália, forget-me-not na língua inglesa etc. São várias as formas de se explicar o seu nome, são diversas as lendas e histórias. Numa antiga e romântica lenda alemã, conta-se que esse nome está relacionado à última frase de um cavaleiro que, tentando alcançar uma flor para oferecer à sua companheira, por conta do peso da armadura caiu em um rio e se afogou. Uma outra lenda, conta que o nome teria sido dado por Adão, ainda no Éden, que ao nomear as flores do jardim esquecera desta e, mais tarde, ao constatar que essa planta havia sido esquecida, deu-lhe então o nome de Miosotis como forma de compensação por seu esquecimento. Uma terceira lenda, cristã e popular, diz que as flores dessa planta teriam ficado da cor azul quando a Virgem Maria lhes derramou lágrimas por cima.

Fontes e Fotos: “Mundodeflores”; “Wikipedia”; “JardimdeFlores”; ”jardineiro.net”;“Flores guia”; “Floresnaweb”; “jardimdeflores”; "Informativoverde"; “portalmundodasflores”; outros.



"Nós podemos conceber o que a humanidade seria se não conhecesse as flores?" (Maurice Maeterlinck)
Topo