quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Koala



A história da Vida na Terra é uma história de extinções, estas extinções naturais ocorrem, no entanto, ao longo de períodos relativamente longos, permitindo a evolução de novas formas de vida. Muitos animais evoluíram e depois extinguiram-se e o seu lugar na natureza é então ocupado por outro grupo de animais. Isto não é o que acontece na actualidade, com a ajuda do Homem!



Penso que é importante ir sempre “passando” a mensagem da importância de preservarmos a Natureza, a vida selvagem, o ambiente, “O nosso magnifico Planeta”.

A extinção é o desaparecimento irreversível de espécies e acontece quando o último animal de uma determinada espécie morre.

Hoje: KOALA



Nome Científico: Phascolarctos cinerus
Ordem: Diprotodontia
Família: Phascolarctidae
 



Distribuição e Habitat :
Os Koalas encontram-se no Leste e no Sudeste da Austrália, em florestas de eucaliptos, que são a sua fonte de alimentação. A sua distribuição tem muito a ver com o tipo de eucalipto que existe em cada área, já que a base da sua alimentação compreende apenas cerca de 20 entre as mais de 350 espécies de eucaliptos que podem ser encontradas na Austrália.




Identificação:
O nome “koala” deriva do dialecto aborígene e significa “não bebe”. O nome científico deriva das palavras gregas “phaskolon” (“bolsa”) e “arktos” (“urso”) e da palavra latina “cinereus” (cor de cinza). A pelagem é macia, de cor cinzenta, mesclada na região dorsal e branca na região ventral do corpo. A cabeça é arredondada e as orelhas são grandes e peludas. O nariz é grande, geralmente de cor negra e não apresenta pêlos.




Hábitos e Alimentação:
São animais arbóreos de hábitos nocturnos. São solitários ou vivem em pequenos grupos. Apesar do seu peso (os machos pesam cerca de 10 kg e as fêmeas cerca de 8 kg), são excelentes trepadores. Embora sejam muito lentos e evitarem gastar demasiadas energias, os koalas sobem às copas destas árvores, onde encontram as folhas mais tenras. Dada a pobreza da sua alimentação, os koalas necessitam de dormir muitas horas. Um animal adulto dorme entre 16 e 18 horas por dias, sendo as restantes dedicadas quase exclusivamente à alimentação e à sua procura.



Reprodução:
O período de acasalamento ocorre de Setembro a Janeiro. Nesta altura, os machos marcam os ramos com os odores provenientes das glândulas que possuem no peito. Estes odores e as vocalizações que emitem atraem as fêmeas no cio. Os machos lutam entre si e cada um procura manter um grupo de fêmeas reprodutoras, durante a época de acasalamento. O período de gestação é de cerca 35 dias, após os quais o recém-nascido migra para a bolsa marsupial, onde permanece mamando durante cerca de sete meses. Desloca-se em seguida para o dorso da progenitora, ao qual se agarra até ao primeiro ano de idade.




Estatuto de conservação e principais ameaças:
No final do século XIX, existiam populações numerosas, mas a desflorestação, os fogos, as doenças e a caça excessiva por desporto e para o comércio de peles dispersaram os indivíduos e quase levaram a espécie à extinção, no início do século XX. Durante a última metade do século XX, graças aos esforços realizados para a sua conservação, as populações têm vindo a recuperar.




Fontes e Fotos: Wikipedia; Portlasaofrancisco; http://www.worldzootoday.com/; treknature; Enciclopédia a Vida Animal; http://www.zoo.pt/; http://www.desktopwallpaperhd.com/; http://www.walldesk.com.br/; http://www.hiren.info/desktop-wallpapers/; http://www.koalas.org/; http://www.fotopedia.com/; http://www.pcdesktopwallpaper.com/; http://blogs.scientificamerican.com/, http://www.flickr.com/; http://www.pbs.org/wnet/nature/, outros



“A Terra provê o suficiente para as necessidades de todos os homens, mas não para a voracidade de todos.” (Mahatma Gandi) .
 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Topo