segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Tamanduá


A história da Vida na Terra é uma história de extinções, estas extinções naturais ocorrem, no entanto, ao longo de períodos relativamente longos, permitindo a evolução de novas formas de vida. Muitos animais evoluíram e depois extinguiram-se e o seu lugar na natureza é então ocupado por outro grupo de animais. Isto não é o que acontece na actualidade, com a ajuda do Homem!




Penso que é importante ir sempre “passando” a mensagem da importância de preservarmos a Natureza, a vida selvagem, o ambiente, “O nosso magnifico Planeta”.

A extinção é o desaparecimento irreversível de espécies e acontece quando o último animal de uma determinada espécie morre.

Hoje: Tamanduá ou Papa-formigas


Foto: wikipedia_NationalZooAnteater


Classe: Mammalia
Ordem: Pilosa
Família: Mymecophagidae

Tamanduá é o nome comum para as quatro espécies de mamíferos da subordem Vermilingua, comumente conhecidos por comerem formigas e térmitas.


Foto: www.vibrationdata.com


As espécies existentes incluem o tamanduá Myrmecophaga tridactyla, com cerca de 1,8 m de comprimento, incluindo a cauda, o tamanduá Cyclopes didactylus sedosa, cerca de 35 cm de comprimento, o Tamanduá do Sul ou de colarinho o Tamandua tetradactyla, com cerca de 1,2 m de comprimento, e o Tamanduá do norte, o Tamandua mexicana de dimensões semelhantes.


Tipos de Tamanduá:
• Tamanduá-bandeira - Myrmecophaga tridactyla
• Tamanduaí - Cyclopes didactylus
• Tamanduá-mirim - Tamandua tetradactyla
• Tamanduá do Norte - Tamandua Mexicana


Foto: wikipedia_Ellen


Tamanduá-bandeira - giant anteater (Myrmecophaga tridactyla)
É o maior e o mais terrestre dos tamanduás. Pode ter até 217 cm de comprimento e pesar até 41 kg. É facilmente reconhecido pelo seu focinho longo e padrão característico de pelagem. É encontrado em diversos tipos de ambientes, desde savanas e florestas. O tamanduá-bandeira é listado como "Vulnerável" pela IUCN. Foi extinguido em algumas partes de sua distribuição geográfica.


Foto: www.venezuelaonboard.com


Tamanduaí - Silky anteater ou Pygmy anteater (Cyclopes didactylus)
É o menor dos tamanduás, medindo cerca de 50 centímeros no total, pesando cerca de 450 gramas, não é pois muito maior do que um esquilo. Pode ser encontrado do sul do México ao norte do Brasil e na ilha de Trinidad e Tobago. Esta espécie é difícil de ser vista. Passa os dias dormindo, enroscado no alto das árvores. Só sai do lugar durante a noite, e mesmo assim não vai muito longe. Nunca desce ao chão. Possui pelagem amarelada, macia e sedosa, que lhe rendeu o nome popular de tamanduá-seda. Cauda preênsil de cerca de 25 centímetros de comprimento, funciona como um quinto membro. As mãos têm dois dedos, quatro dedos nos pés, nas patas anteriores com duas garras longas e curvas, olhos e orelhas pequenos.


Foto: tumblr.com


Tamanduá-mirim ou Tamanduá do Sul (Tamandua tetradactyla)
Encontra-se da Venezuela ao sul do Brasil. Possui cabeça, pernas e parte anterior do dorso de coloração amarelada. O restante do corpo é negro, formando uma espécie de colete. Possui cauda longa e preensil e patas anteriores com quatro grandes garras. Tem hábitos preferencialmente noturnos, mas também costuma sair em busca de alimento durante o crepúsculo.


Foto: wikipedia_www.birdphotos.com



Tamanduá do Norte (Tamandua mexicana)
Vivem em florestas tropicais e subtropicais do sul do México, a América Central e a norte dos Andes. O tamanduá do norte é um tamanduá de médio porte, com uma cauda preênsil, olhos e orelhas pequenos, e um focinho longo. A pele é amarelo claro na maior parte do corpo, com uma faixa distinta de pele negra sobre os flancos, costas e ombros, que lembra um pouco a forma de um colete. A presença deste padrão de coloração torna possível distinguir as espécies a partir do seu parente do sul, que tem uma cor mais uniforme. Para além da sua dieta, o tamandua do norte está também adaptado para um estilo de vida nas árvores.


Foto: wikipedia_DirkvdM


Distribuição e Habitat :
Os tamanduás, habitam as florestas e savanas das Américas Central e do Sul, desde o Belize até a Argentina. Três espécies encontram-se no leste do Brasil. O tamanduá seda ou Tamanduaí(Cyclopes didactylus) é especializado num ambiente arbóreo, mas alguns deles encontram o seu alimento tanto em terra como nas árvores, geralmente encontra-se nas florestas secas perto de riachos e lagos da América do Sul e Central. O tamanduá-bandeira quase inteiramente terrestre (Myrmecophaga tridactyla) vive em savanas. Os dois tamanduás do género Tamanduá, o do sul (Tamandua tetradactyla) e o tamanduá do Norte (Tamandua mexicana), são principalmente arbóreos, habitando as densas florestas primitivas da América do Sul e Central.


Foto: www.nhptv.org


Identificação:
O tamanduá tem uma pelagem espessa que se torna mais longa na cauda. O seu focinho é afunilado e no seu interior aloja uma longa língua que pode chegar a ter 50 cm de comprimento. O peso do maior tamanduá, o tamanduá-bandeira adulto, pode atingir até quarenta quilos e o seu comprimento 1,80 metros, incluindo a cauda, que pode chegar à metade desse tamanho. Já o mais pequeno, o tamanduá seda ou Tamanduaí(Cyclopes didactylus), mede apenas 50 cm e pesa cerca de 450 gr. A capacidade de visão e de audição dos tamanduás é reduzida, mas têm um excelente olfato (cerca de 40 vezes maior que a do homem) podendo assim sentir o cheiro de uma presa ou de um predador a dezenas de metros de distâncias. Têm garras fortes e curvas nas patas dianteiras para poder desfazer os ninhos, mas que lhe dificultam o andar.



Foto: Wikipedia


Hábitos:
Normalmente são animais solitários que só se encontram e juntam na época da reprodução. Dormem enrolados com a sua cauda peluda dobrada sobre o corpo. A cauda serve tanto para conservar o calor do corpo e como para camuflagem. São bons nadadores e capazes de mover-se através de grandes rios.

Foto: Wikipedia_Mateus Hidalgo


Alimentação:
Alimentam-se normalmente de formigas, térmitas, larvas, besouros que retiram dos formigueiros com a sua longa e pegajosa língua, depois de terem escavado as resistentes paredes dos formigueiros, com as fortes e longas garras dianteiras. Um tamanduá gasta um minuto, em média, a alimentação em um ninho, visitando mais de 200 ninhos em um dia e consumir tantos como 300.000 indivíduos.


Foto: www.animalcorner.co.uk


Reprodução:
Tamanduás gigantes podem acasalar durante todo o ano. Após uma gestação de 190 dias a fêmea tem apenas um filhote por ano, que é muito pequeno e frágil com aproximadamente 1,3 kg. Ele é carregado no dorso da mãe e alimentado durante os primeiros 9 meses, período em que só se alimenta de leite. Os jovens comunicam com as suas mães com assobios agudos e usam a língua durante a amamentação.



Foto: telegraph.co.uk


Estatuto de conservação e principais ameaças:
O tamanduá está listado como vulnerável pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). As ameaças à sua sobrevivência devem-se à destruição do seu habitat e à caça.


Foto: Pixdaus_Mrowkojad_wielki


Fontes e Fotos: Wikipédia; Portlasaofrancisco; http://www.infoescola.com/; http://www.telegraph.co.uk/; www.vibrationdata.com; Pixdaus; www.animalcorner.co.uk; www.nhptv.org; www.venezuelaonboard.com; www.vibrationdata.com; enciclopedia do Reino Animal; outros net
 
 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Topo